“Para que outros vivam”: Defesa Nacional e Saúde assinalam o Dia Nacional da Doação de Órgãos e da Transplantação

19 de julho de 2019

A primeira comemoração do Dia Nacional da Doação de Órgãos e da Transplantação teve lugar na Base Aérea n.º6

Portal da Defesa na InternetInícioComunicaçãoNotícias“Para que outros vivam”: Defesa Nacional e Saúde assinalam o Dia Nacional da Doação de Órgãos e da Transplantação

 

​A primeira comemoração do Dia Nacional da Doação de Órgãos e da Transplantação teve lugar na Base Aérea n.º6, no Montijo, numa iniciativa chamada "Para que outros vivam", que assinalou o trabalho conjunto realizado pelo Ministério da Defesa Nacional e pelo Ministério da Saúde na área da saúde.
A cooperação entre as duas áreas governativas – Defesa Nacional e Saúde -, foi assinalada numa iniciativa conjunta que contou com os três ramos das Forças Armadas e com o Instituto Português do Sangue e da Transplantação. A presidente Ana Escoval fez uma apresentação do trabalho desenvolvido por este organismo, tendo revelado um aumento de 2% na taxa de transplantação de órgãos nos primeiros seis meses de 2019, com mais 10 transplantes do que em igual período de 2018. O testemunho do transplantado Manuel Francisco encheu de aplausos a sala de conferências da “esquadra 751”, no final de uma intervenção que fez também na qualidade de presidente da Associação de Transplantados de Portugal.
A comemoração do Dia Nacional da Doação de Órgãos e da Transplantação, no Montijo, contou também com apresentações da Tenente-Coronel Isabel Sousa, médica da Força Aérea Portuguesa, que só no primeiro semestre deste ano realizou 15 missões de transporte urgente de órgãos para todos os pontos do território nacional e 28 missões em 2018 e do Coronel Jácome de Castro, que enumerou as capacidades do Agrupamento Sanitário do Regimento de Apoio Militar de Emergência do Exército. O Agrupamento Sanitário dispõe de uma estrutura capaz de montar e operar um Hospital de Campanha, com valências como consultas, análises clínicas, mas também de recolha de sangue e realização de cirurgias, como foi possível demonstrar, na sessão de abertura, através de uma videoconferência com o bloco cirúrgico que presta apoio ao IPO de Lisboa, há cerca de ano e meio.
A sessão de abertura contou também com a intervenção do Capitão-de-fragata Madaleno Galocha, que apresentou o trabalho dos Centros de Busca e Salvamento Marítimo, operados por militares da Marinha. Em 2018, foram 322 vidas foram salvas e 130 evacuações médicas efetuadas por homens e mulheres, dedicados e motivados para salvarem vidas no mar, em ambientes complexos e desafiantes, num exemplo da excelente cooperação operacional entre a Marinha, a Autoridade Marítima Nacional, a Força Aérea e todos os organismos e instituições que contribuem para o Sistema Nacional de Busca e Salvamento Marítimo.
O Ministro João Gomes Cravinho aproveitou o evento para prestar homenagem ao empenho dos profissionais no salvamento de vidas, um trabalho que está “longe dos holofotes e muitas vezes passa de forma desapercebida da população e da opinião pública”. A Ministra da Saúde destacou também o enorme esforço que fazem “todos aqueles que trabalham na área da transplantação no nosso país”, relembrando que a 20 de julho se assinalam os 50 anos da data em que a equipa chefiada pelo Professor Linhares Furtado realizou o primeiro transplante de órgãos em Portugal, com rim de dador vivo, nos Hospitais da Universidade de Coimbra, sublinhando a dedicação de quem “trabalha nestas áreas e o que realiza diariamente para estar a postos”. Marta Temido destacou também o trabalho dos homens e mulheres dos três ramos das Forças Armadas, “perfeitamente articulados com o setor da saúde, para uma boa assistência aos portugueses”.
No final da cerimónia, os dois Ministros visitaram uma exposição de meios na pista da Base Aérea n.º6, onde as várias equipas do Exército, da Marinha e da Força Aérea explicaram o desempenho da Unidade de Defesa Nuclear, Biológica, Química e Radiológica (NBQR), da câmara hiperbárica do Centro de Medicina Subaquática e Hiperbárica de Lisboa, que efetuou cerca de quase 11 mil tratamentos e mais de 1900 consultas em 2018, e das tripulações do Falcon, que efetuam transporte aéreo especial, do C-295, que além de transporte participa em missões vigilância marítima, busca e salvamento e do EH-101, nas missões ligadas ao garante da saúde dos portugueses.
Na celebração do Dia Nacional da Doação de Órgãos e da Transplantação, estiveram ainda presentes o Secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, o Chefe de Estado-Maior da Força Aérea, General Joaquim Borrego, o Presidente da Câmara Municipal do Montijo, Nuno Canta e o Comandante da Base Aérea, n.º6, o Coronel Luís Gomes Graça.

Partilhar

Conteúdo