Ir para o conteúdo principal

Mensagem de Natal do Ministro da Defesa Nacional

João Gomes Cravinho agradece os feitos alcançados e faz votos de que em 2022 se mantenha o exemplo de dedicação, coragem e brio, já tão reconhecidos nacional e internacionalmente

Portal da Defesa na InternetDefesa NacionalComunicaçãoNotíciasMensagem de Natal do Ministro da Defesa Nacional
23 de dezembro de 2021


Caros militares, militarizados e civis da Defesa Nacional,

​Nesta quadra festiva, quero desejar-vos Boas Festas e um excelente ano de 2022.

Nesta época em que a família e os amigos são tão importantes, quero deixar uma palavra de especial reconhecimento e agradecimento a todas e a todos que servem Portugal longe dos seus entes queridos em missões internacionais. Pude estar com alguns de vós nos últimos dias, em São Tomé e na República Centro Africana, acompanhando o Primeiro Ministro. Saúdo a todos os que se encontram longe.

Saúdo também todos aqueles que se encontram em prontidão no território nacional, respondendo com abnegação e empenho, todos os dias do ano, às mais variadas solicitações, em todos os domínios de ação, com um profundo sentido de serviço que os portugueses reconhecem com gratidão e admiração.

Eu, e os meus colegas de Governo, o Secretário de Estado Adjunto e da Defesa Nacional e a Secretária de Estado de Recursos Humanos e Antigos Combatentes, estamos bem cientes da exigência dessas funções. A vossa dedicação, coragem e brio são motivo de orgulho e um exemplo para Portugal. É isso que constitui a essência da nossa Defesa Nacional.

2021 foi um ano de enorme exigência para o país, mas também de esperança. Uma vez mais, as Forças Armadas e o Ministério da Defesa Nacional estiveram, de norte a sul de Portugal e nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira, prontos para responder com eficácia às necessidades e desafios que surgiram.

O papel exemplar e mundialmente reconhecido da Task Force para a Vacinação contra a COVID-19 foi uma luz de esperança num ano ainda de incertezas. Portugal é hoje o país da Europa com a mais elevada taxa de vacinação, permitindo-nos enfrentar o inverno e esta época festiva com mais confiança.

Sabemos no entanto que devemos manter todas as precauções sanitárias e de testagem para evitar contágios, com a mesma responsabilidade e solidariedade que caracterizam desde sempre a atitude dos portugueses face à pandemia. Sobretudo numa altura em que muitas famílias e amigos se reúnem para viver a quadra festiva, a prudência será a nossa maior aliada.

Em 2021, Portugal assumiu também a Presidência do Conselho da União Europeia e durante o primeiro semestre deste ano trabalhámos para robustecer a defesa europeia e tornar mais relevante o contributo da União para a segurança dos europeus e para a promoção da paz e da segurança internacionais, em articulação com a Aliança Atlântica.

Através das Forças Armadas, Portugal continuou a estar presente nas regiões do mundo onde a instabilidade e a insegurança nos colocam desafios particularmente exigentes, como o Mali ou a República centro-Africana, mas também Moçambique, país irmão onde a nossa ação foi determinante para a criação de uma missão de treino europeia, com forte participação nacional e liderada por um militar português.

Gostaria de referir ainda o trabalho de enorme exigência e rigor da Defesa Nacional, na evacuação e acolhimento de cidadãos afegãos em situações de risco. Trabalhemos para que encontrem no nosso país a segurança e o apoio que necessitam para se integrarem e prosperarem connosco.

Este ano quero também sublinhar o importante trabalho desenvolvido na reforma da estrutura de comando das Forças Armadas, com a revisão da Lei de Defesa Nacional e da LOBOFA, que abrem caminho para umas Forças Armadas mais orientadas para a missão e melhor preparadas para combinar os seus recursos em função da defesa dos portugueses e dos nossos aliados, num mundo em mudança acelerada. Precisamos de Forças Armadas adaptadas aos desafios do presente e do futuro, que exigem cada vez mais respostas conjuntas.

Vale também a pena dar visibilidade aos muitos esforços que foram feitos para que o Estatuto do Antigo Combatente se traduza no avanço concreto dos seus direitos. A solidariedade é um dever que começa na nossa própria casa.

Nesta quadra de balanço e de renovação, quero dizer-vos que devemos ter orgulho no desempenho nas muitas e variadas missões das Forças Armadas em 2021. O sentido de missão que sempre demostraram tem de continuar a pautar a nossa ação. Os desafios com que nos deparamos não são menores do que aqueles que já ultrapassámos. Estou certo que podemos continuar a contar com todas e com todos para defender Portugal e os Portugueses.

Termino com votos de Festas Felizes para todas as entidades parceiras da Defesa Nacional, nos mais diversos setores da vida nacional e, acima de tudo, para as famílias dos militares, que são um pilar fundamental da nossa ação.
Muito obrigado, boas festas e um excelente 2022.

João Gomes Cravinho


Partilhar
Conteúdo