Ir para o conteúdo principal

Revista Portuguesa de História Militar

Nota de abertura

​​


NOTA DE ABERTURA



IMG_1922.JPG

João Vieira Borges

 

 ​


Este primeiro número da Revista Portuguesa de História Militar (RevPHM) representa a concretização de um desígnio que foi ao encontro da intenção manifestada por muitos dos membros da Comissão Portuguesa de História Militar (CPHM), desde a sua criação, a 4 de abril de 1989, pela Portaria n.º 247/89.

Entretanto, a proposta de criação da RevPHM foi apresentada na reunião do Plenário e do Conselho Científico da CPHM, de 1 de outubro de 2020, tendo sido aprovada por unanimidade. Por Despacho n.º 3/2020 de 26 de outubro do Presidente da CPHM, foi criado um Grupo de Trabalho constituído pelo Tenente-Coronel Abílio Pires Lousada e pelo Professor Doutor Humberto Nuno Oliveira, ambos membros do Conselho Científico da CPHM, com a missão de apresentar uma proposta de criação da nova RevPHM, a qual seria aprovada por Despacho de 28 de junho de 2021 do Ministro da Defesa Nacional.

Apesar da publicação anual das Actas e dos Boletins e do apoio à publicação de várias obras de História Militar, algumas das quais com a sua própria chancela, a CPHM necessitava de encontrar novos instrumentos para ir ao encontro dos especialistas em História Militar, nacionais e estrangeiros, mas também do público em geral. Assim, tendo em atenção a evolução tecnológica e a crescente utilização de meios telemáticos e de publicações online, a par da publicação de revistas de história militar em formato digital em países como Espanha, França e Brasil, a nova RevPHM encontrou o seu caminho com periodicidade semestral. E para percorrer os primeiros passos, ninguém melhor do que os membros do Grupo de Trabalho fundador enquanto diretores da RevPHM, o Tenente-Coronel Abílio Pires Lousada e o Professor Doutor Humberto Nuno Oliveira.

Editada semestralmente on-line e publicando artigos de carácter científico, heurístico ou historiográfico sobre matérias relacionadas com a História Militar, a Revista tem como objetivo o aprofundamento e dinamização do conhecimento da História Militar, com prioridade para a História Militar de Portugal. Certamente que ao longo das sucessivas edições teremos tempo, disponibilidade e flexibilidade para melhorar a organização e a própria linha editorial, mas em linhas gerais:

    • Pretendemos que a nova RevPHM constitua uma mais-valia no contexto histórico-cultural, muito para além da História Militar;
    • Assumimos que a RevPHM constitui um serviço público e que o caminho se faz caminhando, sem os condicionalismos e constrangimentos decorrentes dos índices de fator de impacto e das “revisões por pares" típicas das revistas científicas, mas cuidando da qualidade, da factibilidade e da credibilidade da investigação;
    • Assumimos que a RevPHM constitui um serviço público e que o caminho se faz caminhando, sem os condicionalismos e constrangimentos decorrentes dos índices de fator de impacto e das “revisões por pares" típicas das revistas científicas, mas cuidando da qualidade, da factibilidade e da credibilidade da investigação;
    • Organizamos a Revista de modo que cada número seja subordinado a um tema, independentemente dos artigos extra dossier terem sempre o seu espaço, proporcionando uma maior participação de todos os historiadores, militares e civis;
    • Optámos pelo tema “Início da Guerra de África 1961-1965" neste primeiro número, indo ao encontro da evocação dos 60 anos do início de uma guerra que marcou profundamente toda a sociedade portuguesa;
    • Desejamos que a RPHM seja consultada e lida pelo maior número de leitores, desde o público em geral aos especialistas, professores, investigadores e alunos, e nesse sentido será disponibilizada sem qualquer custo através de uma página on-line de fácil acesso.

Finalmente, agradecemos aos nossos prestimosos colaboradores, toda a dedicação, empenho e saber colocados ao serviço da História Militar de Portugal, e fazemos votos para que este seja o primeiro de muitos números da RPHM abençoados pelo lema da CPHM: “VER DA GENTE FORTE O GESTO E MODO".


JOÃO VIEIRA BORGES 

Major-General do Exército, Presidente da Comissão Portuguesa de História Militar.


Descarregar este texto

Partilhar
Conteúdo