Ir para o conteúdo principal

Banda de Música da Força Aérea Portuguesa vence a primeira edição do Prémio Anual Defesa Nacional e Igualdade

A Força Aérea arrecadou o primeiro e segundo lugares da primeira edição do Prémio Anual Defesa Nacional e Igualdade, tendo o terceiro sido atribuído à Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional

Portal da Defesa na InternetInícioComunicaçãoNotíciasBanda de Música da Força Aérea Portuguesa vence a primeira edição do Prémio Anual Defesa Nacional e Igualdade

24 de março de 2021 - Fonte: SGMDN

A Banda de Música da Força Aérea Portuguesa foi a grande vencedora da primeira edição do Prémio Anual Defesa Nacional e Igualdade (PDNI), que atribuiu ainda menções honrosas ao Comando de Pessoal da Força Aérea e à Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional (SGMDN).

«O sonho de voar» é o título do projeto apresentado pela Banda de Música que conta, num livro para crianças, a história de uma menina que sonha com uma profissão ainda muito identificada com a figura masculina, ser militar ou piloto de aeronaves, e que demonstra que não existem obstáculos aos sonhos.

Para o júri do concurso, “a criação de uma personagem feminina que tem como sonho uma profissão ainda muito identificada com a figura masculina (…) é o exemplo perfeito para promover a igualdade entre mulheres e homens na sociedade e nas Forças Armadas. A personagem demonstra que cada pessoa, independentemente do seu sexo, pode seguir os seus sonhos, dado que não existem profissões de homem ou de mulher".

Ao Comando de Pessoal da Força Aérea foi atribuído o segundo lugar pelo projeto “Da Tomada de Consciência à Ação", que, para além de se “apresentar bem estruturada", “indica de forma clara as evidências que relevam para a promoção da igualdade entre mulheres e homens".  O júri do concurso acrescenta ainda que se “assinala um resultado importante que se materializa no aumento do recrutamento de mulheres na Força Aérea, o que parece resultar também de uma relevância dada à imagem da mulher nas campanhas de recrutamento".

Na atribuição do terceiro lugar, o júri considerou que “de entre as várias iniciativas desenvolvidas pela SGMDN, é de realçar a criação do PDNI que, para além do efeito de sensibilização de todas as entidades e pessoas da área da Defesa Nacional para as questões da Igualdade e não discriminação, se tornou conhecido como uma boa prática na Administração Pública, tendo a SGMDN, com a anuência das entidades competentes, procedido ao seu registo na base de dados de práticas inovadoras na Administração Pública".

​O Prémio Defesa Nacional e Igualdade​ foi criado em 2019 com o objetivo de reconhecer publicamente as entidades da Defesa Nacional que se evidenciem pela promoção da igualdade entre homens e mulheres e pela adoção de medidas eficazes e positivas na prevenção e combate à discriminação.

Partilhar
Conteúdo