Secretária de Estado acompanha regresso da Fragata "Corte-Real" depois da participação na EUROMARFOR

16 de julho de 2019

A Secretária de Estado da Defesa Nacional, Ana Santos Pinto, esteve no regresso da fragata "Corte-Real" à Base Naval de Lisboa

Portal da Defesa na InternetInícioComunicaçãoNotíciasSecretária de Estado acompanha regresso da Fragata "Corte-Real" depois da participação na EUROMARFOR

“O exercício conjunto com a Marinha Real de Marrocos e a forma como o NRP “Corte-Real” e a sua guarnição foram recebidos em Casablanca, são passos estruturantes no estreitamento das relações de cooperação e de confiança entre Portugal e o reino de Marrocos”, afirmou a Secretária de Estado da Defesa Nacional, Ana Santos Pinto, no regresso desta fragata à Base Naval de Lisboa depois de terminada a sua participação nos exercícios no âmbito da Força Marítima Europeia (EUROMARFOR).

Com Lisboa como cenário, a Secretária de Estado embarcou no navio no cais do Centro de Controlo de Tráfego Marítimo do Porto de Lisboa e acompanhou os militares até à Base Naval de Lisboa.

Nos dias 4 e 5 de julho, esta fragata participou no exercício “Multi Cooperative 2019”, que decorreu ao largo de Marrocos, juntamente com as fragatas “Victoria”, da Marinha Espanhola, e “Tarik Ben Ziyad”, da Marinha Marroquina. Ao todo, neste exercício, participaram 493 militares: 221 a bordo da fragata portuguesa, 181 na fragata espanhola e 91 na fragata marroquina.

A Força Naval esteve atracada em Casablanca entre os dias 1 de 3 de julho para preparar este exercício, onde, juntamente com a Marinha Marroquina e a Marinha espanhola, desenvolveu ações treino, no âmbito das operações de interdição marítima (embargo), operações de busca e salvamento, mergulho, técnicas de proteção de navios contra ameaças assimétricas e ataques terroristas, entre outras.

“Portugal mostra-se disponível e comprometido com o desenvolvimento de capacidades operacionais que nos garantam, desde logo na União Europeia, contributos decisivos para a segurança dos mares que também são europeus e para a segurança, naturalmente, do Atlântico”, declarou Ana Santos Pinto.

Nas palavras da Secretária de Estado, a participação nestes exercícios de consolidação da cooperação e da interoperabilidade são passos estruturantes “na criação de respostas e responsabilidades partilhadas no reforço da segurança do atlântico no combate a ameaças que são comuns”.

“Este entendimento de responsabilidades partilhadas com parceiros europeus e não europeus está, aliás, perfeitamente em linha com o que tem sido a nossa cooperação no âmbito da iniciativa 5+5 Defesa, mas também no âmbito das relações bilaterais entre Portugal e Marrocos em matéria de defesa, como ainda ontem foram fortalecidas através da visita do Sr. Ministro da Defesa Marroquino a Portugal”, afirmou Ana Santos Pinto.

No seu discurso perante os militares que integraram o exercício, a Secretária de Estado agradeceu a dedicação, o compromisso e a disponibilidade de todos os membros desta guarnição e das que a antecederam. “A vossa ação, em cada gesto profissional e abnegado, mantém uma imagem extremamente positiva e fiável de Portugal, das nossas forças armadas, junto dos portugueses e dos nossos parceiros externos”, assegurou.

Portugal assume, até ao final de setembro deste ano, a liderança da EUROMARFOR, na figura do Comandante Naval Vice-Almirante Gouveia e Melo, terminando um ciclo de dois anos no comando rotativo da força. Para Ana Santos Pinto, esta liderança “representa uma oportunidade da maior importância para consubstanciar o compromisso político de Portugal com a segurança marítima europeia”.

Também no âmbito da ativação da Força Marítima Europeia, a fragata Corte-Real participou ainda no exercício Contex-Phibex 19, que decorreu entre 17 e 28 de junho.

Esta Força Marítima Europeia é ativada especificamente para o cumprimento de missões ou operações navais, aéreas e anfíbias, podendo, num curto espaço de tempo, constituir-se como uma força pronta para atuar e ser empregue em missões humanitárias, de salvamento, manutenção e restabelecimento da paz e de combate em gestão de crises.

Partilhar

Conteúdo