Ir para o conteúdo principal

Prémio Defesa Nacional e Ambiente 2006

​​​​​​Direção ​de Infraestruturas - Força Aérea


“Sistema de Gestão das Estações de Tratamento de Águas Residuais da Força Aérea​” 


Este projeto desenvolvido pela Direção de Infrae struturas descreve a implementação de um sistema de gestão das Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR).

No cumprimento da sua missão, a Força Aérea necessita de água para consumo humano, regas, combate a incêndios, lavagens, gerando-se águas residuais de diversa natureza.

As ETAR são infraestruturas que efetuam o tratamento dos efluentes para, depois de tratados de acordo com normas e legislação aplicáveis, serem descarregados nas linhas de água.

Este tratamento é efetuado em várias etapas com o objetivo de separar ou diminuir a quantidade de matéria poluente da água residual para que possa ser devolvida ao ambiente.

A Força Aérea Portuguesa tem um total de sete ETAR localizadas em algumas das suas Unidades: Aeródromo de Manobra n.º 1 (Ovar), Base Aérea n.º 1 (Sintra), Base Aérea n.º 5 (Monte Real), Base Aérea n.º 6 (Montijo), Base Aérea n.º 11 (Beja), Centro de Formação Militar e Técnica da Força Aérea (Ota) e Campo de Tiro de Alcochete. Nas restantes o sistema de drenagem está ligado às redes públicas.

As ETAR da Força Aérea utilizam um processo de tratamento biológico, ou seja, o tratamento é efetuado por ação de micro-organismos que removem a matéria poluente dissolvida nas águas residuais.

Este projeto integrou um diagnóstico para verificar as condições de funcionamento e o estado de conservação das ETAR.

Para cada uma foi apresentado um Diagnóstico de Funcionamento, tendo em vista a resolução dos problemas identificados e a melhoria da eficiência do tratamento realizado, desde alterações ao nível da operação dos equipamentos instalados a aspetos construtivos.

O Controlo Ambiental de uma ETAR permite avaliar a eficiência desta infraestrutura, aferir sobre as consequências para os meios recetores resultantes das descargas de águas residuais, avaliar as condições de funcionamento hidráulico-sanitário dos diversos órgãos e controlar os parâmetros funcionais.

Retirado do livro "25 Anos Prémio Defesa Nacional e Ambiente". Edição: Ministério da Defesa Nacional



Partilhar
Conteúdo