Ir para o conteúdo principal

Centro de Saúde Militar de São Tomé reabilitado com o apoio de Portugal

O Ministro da Defesa Nacional de Portugal e o Primeiro-Ministro de São Tomé e Príncipe inauguraram esta sexta-feira o renovado Centro de Saúde de São Tomé e Príncipe,

Portal da Defesa na InternetInícioComunicaçãoNotíciasCentro de Saúde Militar de São Tomé reabilitado com o apoio de Portugal
10 de setembro de 2021

​O Ministro da Defesa Nacional de Portugal, João Gomes Cravinho, e o Primeiro-Ministro de São Tomé e Príncipe inauguraram esta sexta-feira o renovado Centro de Saúde de São Tomé e Príncipe, cuja reabilitação contou com a cooperação das Forças Armadas dos dois países.

 

Além do apoio financeiro de 31.600 euros, o Estado-Maior-General das Forças Armadas Portuguesas doadas várias caixas com material hospitalar e medicamentos. Na cerimónia foram também entregues diplomas do curso para formadores de suporte básico de vida, que Portugal também apoiou.

 

Para João Gomes Cravinho, estas iniciativas refletem bem a importância das relações no domínio da defesa e da saúde militar entre Portugal e São Tomé e Príncipe, fruto “dos laços profundos quem unem os dois países". 

 

O Ministro português revelou ainda que será assinado em breve o novo programa-quadro de cooperação bilateral no domínio da defesa para o período entre 2021 e 2025, assegurando será contemplado um aprofundamento da colaboração ao nível da saúde militar, criando condições para deslocações regulares de médicos e enfermeiros das Forças Armadas Portuguesas para consolidar “esta valência importantíssima em São Tomé".

 

No âmbito da cooperação entre dois países, destaca-se também a presença do navio da Marinha Portuguesa NRP Zaire, empenhado em permanência em São Tomé e Príncipe desde 2018, numa missão de capacitação marítima da Guarda Costeira de STP, com o objetivo de reforçar a vigilância e fiscalização dos espaços marítimos do país e contribuir para a segurança marítima do Golfo da Guiné.

 

A colaboração bilateral prosseguirá uma “lógica de solidariedade em relação a um país-irmão e de capacitação de apoio para que São Tomé e Príncipe e as Forças Armadas são-tomenses tenham cada vez melhores condições de corresponder à sua missão" acrescentou João Gomes Cravinho.


Partilhar
Conteúdo